Eu não sei vocês, mas nesses dias tenho achado muito fácil ser crítico e julgar aos outros. No final da semana passada, uma colega de trabalho me disse no Slack que ficaria offline por um tempo enquanto cumprimentava sua babá, mas que apareceria a qualquer momento. Meu pensamento imediato foi: “Isso não é um distanciamento social”. Por uma fração de segundo, fiquei brava com ela. Como ela podia deixar outra pessoa entrar em sua casa em um momento como esse? Por que ela não estava fazendo a parte dela para achatar a curva [de proliferação do COVID-19]? Meus sentimentos logo se transformaram em culpa e depois em tristeza e mágoa. Eu não queria ficar irritada com minha colega de trabalho. Então por que eu estava?

Ouvi de muitos amigos que eles também tiveram momentos de tensão semelhantes com seus colegas nas últimas semanas. Faz sentido: muitos de nós estão trabalhando em condições novas e abaixo do ideal. Estamos lidando com níveis sem precedentes de estresse e ansiedade. E o futuro de nossos empregos, empresas e economia é incerto.

Tudo isso estabelece as bases para a tensão, diz Brianna Caza, professora associada de administração da Bryan School of Business and Economics da Universidade da Carolina do Norte em Greensboro. Ela e seus co-autores revisaram 300 estudos cujo foco era em relacionamentos no local de trabalho, transgressões em relacionamentos e reparação de relacionamentos. Eles descobriram que “sempre que houver uma tensão externa isso pode se manifestar entre colegas de trabalho”.

Infelizmente, em situações estressantes, nossa compaixão foge pela janela, de acordo com Monica Worline, cientista do ​Stanford Center for Compassion and Altruism Research and Education​. “Quando estamos sob forte estresse, voltamos aos padrões de enfrentamento que são familiares e muito enraizados em nós, e temos dificuldade em perceber que há outra maneira de fazer o que estamos fazendo. Achamos que estamos certos e os outros estão errados”, explica ela. Isso não é bom para suas interações com seus colegas. “sem nos darmos conta, estragamos nossos relacionamentos com colegas de trabalho, causando mais sofrimento.”

Este não é o momento de nos afastarmos da bondade e do cuidado, mesmo que nossos cérebros nos levem nesta direção [de afastamento]. “É importante tentar encontrar maneiras de permanecer aberto à compaixão, mesmo quando estamos sobrecarregados”. Worline e Jane Dutton, que co-escreveram ​Awakening Compassion at Work​, fizeram pesquisas que mostram que a compaixão está relacionada com seu próprio nível de satisfação no trabalho e com o grau em que você considera seu trabalho significativo. Mas como você encontra e demonstra empatia pelos colegas de trabalho quando seus recursos cognitivos estão esgotados?

Aqui está o que Caza e Worline me disseram.

Lembre-se de que esta é uma oportunidade de se conectar.

Caza e seus co-autores descobriram em sua pesquisa que “havia muitos gatilhos e caminhos que levam à fraturas nos relacionamentos”, mas também havia “o potencial para relacionamentos mais fortes nesses tempos estressantes. Sempre que as coisas são abaladas, há um potencial para uma mudança positiva”, explica ela. E como essa crise é global, quase todo mundo é afetado de alguma forma. Eu já vi isso acontecer nas últimas semanas. Os colegas de trabalho – com quem não interajo com muita frequência – entraram em contato para ver como estou indo e, por sua vez, fizemos o mesmo pelos outros. Essa sensação de que estamos nisso juntos pode nos unir ainda mais, mesmo quando – ou porque – estamos sob extrema pressão.

Aceite que todos estamos lidando de maneira diferente.

Outro colega de trabalho compartilhou um artigo a respeito da pressão sobre os casamentos durante a crise e que joga luz em porquê as coisas podem parecer tensas em algumas de nossas relações de trabalho. Nela, a especialista em relacionamento Esther Perel apontou que as pessoas costumam ter diferentes mecanismos para enfrentar ou lidar com a situação. Algumas pessoas gostam de receber o máximo de informações possível, passando horas no Twitter ou lendo artigo após artigo. Outros gostam de limitar a quantidade de notícias que recebem. Alguns podem ser rígidos quanto ao distanciamento social (sou eu), enquanto outros podem adotar uma abordagem mais flexível. E alguns colegas podem se dedicar ao trabalho, encontrando conforto em estar ocupados, enquanto outros estão lutando para continuar e manter o foco.

Também há uma diferença em como as pessoas se sentem otimistas ou pessimistas. Vejo isso acontecer diariamente em reuniões virtuais, quando alguém pergunta às pessoas como elas estão e uma pessoa diz “Ótimo!” e outro murmura “blé”. Todas essas são respostas válidas e não precisamos ter as mesmas maneiras de enfrentar ou lidar com a situação.

Caza diz que a diferença não está apenas nas abordagens de enfrentamento, mas também nas circunstâncias. Os colegas não estão sendo afetados pela crise da mesma maneira. Alguns estão trabalhando em casa com crianças pequenas e agora têm a tarefa de educar em casa. Outros têm pais ou outros parentes mais velhos com os quais estão preocupados. Para alguns, o trabalho ficou mais intenso, enquanto a carga de trabalho de outros diminuiu. Vários de meus colegas trabalham regularmente em casa ao longo dos anos e estão bem estabelecidos. Outros não têm lugares calmos em casa para atender a chamadas, outros não se importam em participar de uma vídeo chamada.

Seja generoso em suas interpretações.

Dada a provável variação entre você e seus colegas de trabalho, Worline e Caza dizem que uma das coisas mais importantes que você pode fazer agora é ser generoso em suas interpretações de outras pessoas. Se você receber um e-mail curto, não assuma que a pessoa está irritada ou sendo rude. Em vez disso, imagine que eles estão sob pressão do tempo e não têm tempo para suas gentilezas habituais.

Isso é difícil de fazer, explica Worline. “Quando estamos em crise, mudamos a maneira como interpretamos as coisas ao nosso redor. Nossa própria dor e sofrimento tendem a aumentar, e diminuímos o fato de as pessoas estarem passando por uma tensão igual ou maior. Somos mais facilmente sobrecarregados pelas necessidades e sofrimentos dos outros e podemos reagir pensando: ‘Não há nada que eu possa fazer sobre isso’ ou ‘Esse é o problema deles e não o meu’.”

Quando surgirem tensões, tente pensar por que razões você e seu colega podem não estar se comunicando bem. Não fique preso no pensamento certo-errado. Worline sugere que você se diga: “Sou capaz e estou cercado por pessoas que também são capazes” e pergunte: “Onde estão os gargalos e como estamos nos comunicando?” Ao focar na dinâmica e nas circunstâncias, e não na pessoa, é provável que você chegue ao problema subjacente sem colocar a culpa.

Reconheça como você está se sentindo.

Você pode evitar falhas de comunicação e ferir sentimentos, deixando claro o que está experimentando no momento. Por exemplo, o Caza sugere que você explique aos seus colegas de trabalho que pode precisar de algum espaço, especialmente se as coisas estiverem se movendo rapidamente. Você pode dizer: “Há muita ansiedade e estresse agora nesse momento, então dêem algum tempo para pensar sobre isso”. E comunique mais do que você faria em circunstâncias normais, sendo mais consciente sobre o que diz e sobre o tom que usa. Um dia desses recebi uma nota de um colega do Slack que dizia: “Estive pulando de conversa em conversa e acabei percebendo que o que escrevi acima foi muito era muito direto e um pouco rude – não era para ser assim. Estamos todos fazendo muito!”. Eu tinha notado que a mensagem dela era concisa, mas felizmente não a levei para o lado pessoal. Se você sentir algo insalubre fermentando entre você e um colega, não deixe que isso chegue ao ponto de apodrecer. É melhor resolver o problema mais cedo ou mais tarde, diz Caza.

E não se chicoteie caso venha a dizer algo do qual se arrependa ou machuque inadvertidamente um colega. “Quanto mais você tiver compaixão por si próprio e por suas falhas em ser a pessoa que deseja ser, mais poderá diminuir seu estresse”, diz Worline.

Aceite que a vida doméstica de seus colegas de trabalho agora é relevante para você.

Como tendemos a nos distanciar do sofrimento alheio quando estamos estressados, você pode pensar que não é problema seu que seu colega de trabalho tenha dois filhos e não tenha creche (ou babá), por exemplo. “A situação deles enquanto pais e mães não era necessariamente relevante para o seu trabalho e de como eles trabalhavam há algumas semanas”, diz Worline. Mas agora é com certeza. “Reconheça que a relevância mudou devido à situação em que estamos”. Aqui, ela sugere outra mudança de pensamento: “As pessoas são essencialmente boas e estão tentando fazer o melhor possível.”. Em vez de se aborrecer pelo fato de seu colega de trabalho ficar sendo interrompido pelo filho, deixe de lado o julgamento e pense em como você pode ajustar os padrões de como vocês trabalham juntos. Como você pode ser mais flexível para que todos possam continuar realizando seu trabalho?

Não compare o sofrimento

Um dos comentários recorrentes que eu vi nas mídias sociais quando as pessoas reclamam do que estão passando é algo como: “Pelo menos você não está trabalhando na área da saúde agora.”. Worline diz que esse tipo de comparação pode ser “brutalmente minimizadoras [do que a pessoa está passando/sentindo]”. “As pessoas pensam equivocadamente que estão dando a tão necessária mudança de perspectiva. Mas isso não alivia a angústia, isso só aumenta o nível de julgamento e culpa e exacerba a dor.”. Worline ressalta que existem inúmeras formas de dificuldades e que “compaixão não envolve julgar a relevância do sofrimento alheio”.

À luz deste conselho, aqui estão algumas coisas que estou tentando me lembrar todos os dias para conscientemente e deliberadamente me inclinar para a empatia e bondade.

Meus colegas de trabalho e eu não vemos o mundo exatamente da mesma maneira e tudo bem.

Temos diferentes maneiras de lidar com a incerteza, a dor e o estresse.

Eles estão sob pressões que eu nem sempre vejo e não consigo entender completamente (e provavelmente não são da minha conta).

Não é benéfico para mim ou para eles comparar nossos desafios. Estamos todos fazendo o melhor que podemos.

Nem sempre é fácil ser paciente e compreensivo, especialmente com tudo o que está acontecendo. Mas vou continuar tentando, porque é o que meus colegas e eu merecemos.

por Amy Gallo
30 de março de 2020

Tradução livre: Cristiano Ramalho
Link para o original:  https://hbr.org/2020/03/what-your-coworkers-need-right-now-is-compassion